Sendo esta uma engenhoca e havendo um concurso de engenhocas, fazia todo o sentido ir participar.
O 1º concurso de muitos que espero ver ser organizados na integra pelo ELECTRUBI!
2 voltímetros com uma nova utilidade - ser um relógio. Sim é uma Engenhoca :)

PS: O relógio ficou em 2º lugar...






Desde o inicio que o voltímetro das horas me chateava um pouco...

A sua não linearidade (barato... :) ) aliada ao meu método tosco de fazer a escala, fez com que o pwm para as horas não fosse calculado com um simples y=mx+b.
Farto disso resolvi fazer uma abordagem mais inteligente.
Acertei os valores de pwm para as 12 horas, de forma a coincidir exactamente o ponteiro com o risco da escala.

Guardei esses valores no vector "horas[posição vector]".
A única certeza após isto é que cada "salto" teria de ser dividido em 60 minutos.
O cálculo para obter o pwm certo para aquela hora e minuto, é dado por:
H - horas lidas no RTC;
M - minutos lidos no RTC;
unsigned int horas[13] = {0,70,160,245,330,415,495,590,680,780,870,970,1024};
pwm = horas[horas_1] - horas[horas_1 -1];
pwm = (pwm * minutos_1)/60;
pwm += horas[horas_1 -1];
Desta forma dou por resolvido o problema com o voltimetro das horas. Já está a funcionar à algumas horas e até ao momento está perfeito.

Já está completa mais uma etapa do relógio.
Começa a ganhar forma finalmente.
Usei o DraftSight para fazer o desenho da caixa. O material usado foi MDF de 3mm de espessura.
As dimensões são cerca de 120x65x55 (mm).

Este é o aspecto final com os voltimetros já montados no painel.

Durou pouco tempo, infelizmente...
Vamos esperar por Agosto de 2015!

Ler artigo em:


Chegado a este ponto, o relógio está praticamente concluído.
No video podem ver já o acerto das horas e a colocação em funcionamento dos voltímetros através dos 2 módulos de PWM do MCU.
No video também é visível a resposta a cada segundo passado do circuito para o computador com as horas lidas a partir do RTC (Real Time Clock).
Os ponteiros não tremem absolutamente nada, por isso o filtro de 1ª ordem a 5Hz (seguido de um buffer de corrente) corta mais do que bem a frequência de PWM que ronda os 15KHz.

Próxima etapa: colocar tudo dentro de uma caixa :D

PS: O video não tem som.

Uma breve actualização deste projecto.
A vermelho podem ver a PCB com o PIC16F1509, o conjunto de 2 ampops LM358 e o regulador de tensão 7805. Pode-se ainda ver o módulo com o RTC e o suporte para a pilha.
Todos os outros componentes passivos estão soldados por baixo (todos em SMD).

Na foto em baixo já se podem ver os voltímetros, com o novo fundo com escala, ligados à board de controlo.
Os voltimetros foram também alterados para terem iluminação na parte inferior, com 2 leds em cada um.

O tempo não é muito , mas aos poucos vai ficando feito :)

O módulo RTC que comprei já tem o suporte para uma pilha, o que é óptimo! Caso falhe a alimentação do circuito, tudo vai abaixo excepto a temporização do DS1302.
No entanto tem de haver uma simples possibilidade de se poder actualizar as horas sem que o programa fique bloqueado cada vez que a energia falhe.
Para resolver essa questão, implementei o seguinte: o programa inicia e via serial (com um baudrate de 19200) envia uma mensagem a questionar se é pretendida alguma configuração. São activadas então 2 interrupções, uma pelo Timer0 e outra pela chegada de uma caracter à USART.
Numa situação comum de falha de energia e regresso, o Timer0 irá contar 10s e o programa avançará sem que se passe pelo processo de configuração.

Detalhe das 3 possibilidades de iniciação:
* Por overflow do Timer0: na verdade o overflow deste timer irá ocorrer 610 vezes (correspondente a cerca de 10s) antes de uma flag ser colocada a 1 dentro do ISR. Conclui-se com isso que houve uma falha de energia e que ninguém quer actualizar horas.
* Receber um caracter diferente de "S" ou de "s": neste caso é assumido que a pessoa tem o terminal ligado mas simplesmente não pretende fazer qualquer configuração no relógio. A flag é colocada com o valor 2 e no main() segue um rumo semelhante ao 1º caso.

Receber o caracter "S" ou "s": neste caso entende-se que a pessoa deseja configurar o relógio, é colocada a flag com o valor 1 e no main() (ver figura em baixo) é chamada a função que dá inicio à configuração.
Na figura seguinte é visível um pedaço da função de configuração, neste caso apenas correspondente às horas.
Em resumo, são enviadas duas mensagens, uma dá conta da "Etapa de configuração" e a outra dá as instruções de introdução de horas.
Qualquer valor (de 2 números) que não esteja no intervalo 0<horas<13, é descartado e o ciclo repete novamente.
De um modo geral as partes principais da inicialização estão explicadas em cima.
Nas figuras seguintes irão surgir alguns exemplos do que já foi falado, em ambiente de simulação.

* 10s sem actividade na usart

* Introdução de caracter diferente de "S" ou "s"

* Introdução de caracter "S" ou "s"


"Não percam os próximos episódios, ..."

Se a ideia é mostrar horas e minutos, a escala de 5V dos voltímetros, não serve. Tive de adaptar de modo a ficar minimamente perceptível
Eu sei que muitos vão pensar que esta foi uma maneira estranha de fazer as coisas... bem mas foi assim que me lembre de fazer eheheh.
Em 1º lugar, desmontei o painel do voltimetro e tirei uma foto ao mesmo, tentando manter a perpendicular.

O passo seguinte foi, recortar o que realmente importava e num programa de edição de imagem (usei o gimp) fazer algumas limpezas e replicar alguns traços da escala antiga (0-5V).

O 3º e último passo, foi imprimir tudo à escala, num pedaço de papel autocolante e colar no painel, em cima da escala antiga.

No final, penso que nem ficou assim tão mal como pensava, sobretudo devido ao seu reduzido tamanho...
Infelizmente, vou ter que desfazer a escala e fazer tudo novamente para as horas e fazer pela primeira vez a escala dos minutos também. A escala da foto está errada, pois para coincidir com a escala do RTC (DS1302 pagina 9) deverei iniciar em 1h e terminar em 1h novamente, passado pelas 12h. No fundo, olhando para a escala em cima, onde está '0' deverá ficar '1' e onde está '12' ficará '1' ou então fica vazio.

Mais actualizações aproximam-se.
"Não percam os próximos episódios, ..."

Desta é de vez!
Depois do falhanço por completo com os servos, chegou o novo método! Tal como tinha dito, esta engenhoca não ia ficar por aqui e chegaram no outro dia 2 voltímetros analógicos, comprados no ebay.
Os dois ficaram-me em cerca de 6€.
Neste ponto já podem imaginar qual será a estratégia!
Com algum jeito, vou retirar o painel com a escala de 5V e vou substituir por uma escala de 0h a 12h e no outro por 0min a 60min.
Vou usar um PIC16F1509 (que entre muitas outras coisas, tem 4 módulos de PWM com resolução de 10bits, 2 dos quais não posso prescindir para este projecto) para estabelecer a comunicação com o RTC, tal como já tinha explicado AQUI, fazer a comunicação com o utilizador para acertar as horas (no futuro fazer mais coisas) e com 2 dos seus 4 módulos de PWM gerar uma tensão DC com passagem por 2 filtros passa-baixo de 1ª ordem. No final de tudo isso usarei um LM358 como buffer de corrente da saída dos filtros para os voltímetros.
Sobre esta ultima técnica de transformar PWM em tensão DC (variável de acordo com o duty cycle), podem consultar esta excelente Application Note da Microchip, que explica tudo de forma simples e clara.

Este foi um update rápido e geral para demonstrar que esta engenhoca não está parada...
Nos próximos dias irão aparecer mais actualizações sobre os avanços e o estado da mesma.

"Não percam os próximos episódios, ..."

Como mostram as fotos em baixo, a ideia ainda avançou e foram feitos vários testes assim como tentativas de acertar com o movimento.
A má qualidade dos servos fez com que se criasse aqui um enorme problema. A "precisão" ainda se mantinha a quando se iniciava o movimento, mas nas passagens de 60min - 0min ou 24h - 0h nenhum deles retornava à posição inicial a não ser que fosse forçado com a mão...
Alguns truques poderiam ser usados, mas no geral não gostei muito da forma como isto estava a ficar...
Mas o projecto/engenhoca não fica por aqui :D...
A caminho já vem outra coisa pela qual poderei substituir os servos... mas é melhor aguardarem :D.
Para terminar, a última foto mostra uma contagem feita com o RTC, explicada AQUI, que como não podia deixar de ser (ainda por cima neste curto espaço de tempo), acertava na mosca!



Mais um update a esta engenhoca...
Quando se tenta gastar o menos possível a contrapartida é o longo tempo de espera para que algo chegue a casa...
Tal como já tinha dito na parte 1 uma parte principal era o RTC (Real Time Clock, wiki). Os módulos à venda no ebay são extremamente baratos, já possuem um suporte para pilha (caso a energia ao circuito falhe, o relógio não perde os dados) e têm imensas funções, muitas das quais nem sequer vão ser usadas aqui...
Uma rápida procura levou-me à compra de um módulo com um DS1302 da MAXIM, que me custou cerca de 80 cêntimos, tal como podem ver no ebay.
O DS1302 conta segundos, minutos, horas, dias do mês e da semana, etc..., para mais detalhe aconselho uma leitura do datasheet.
Ora, o módulo chegou e o que interessa é colocar isto a fazer o trabalho que lhe é devido... enviar as horas certas quando solicitado.
Este IC usa um protocolo de comunicação chamado 3-wire interface. Muitas confusões são criadas em torno disto... isto funciona como o I2C? Funciona como o SPI?
Muito li em torno disto e fartei-me do que lia pela internet e fui ao único sitio onde isto tinha de estar claro: o datasheet!
Na figura 4 (pag. 8) esta tudo o que é preciso e este protocolo é facilmente implementado em software (explicado em seguida).
A comunicação pode ser dividida em dois tipos: a leitura de um byte e a escrita de um byte para o RTC.
A leitura de um byte do RTC é feita enviando o endereço do byte a ler e nos 8 clock's seguintes irá ser recebida a informação contida nesse byte. Os endereços disponíveis no DS1302 podem ser vistos na tabela 3 do datasheet, tal como as respectivas "respostas".
O RTC guarda o estado do pino I/O (bit 0 ou 1) no flanco ascende do clock e passados 8 flancos, ele já recebeu o endereço completo e nos próximos 8 pulsos, no flanco descendente, irá enviar o byte contigo no endereço.
A escrita de um byte para um endereço do RTC, é feita de forma muito semelhante. São enviados 16 pulsos de clock, os primeiros 8 correspondentes ao endereço e os seguintes correspondentes ao byte a guardar.
Mas melhor que isto,  a figura 4 explica bastante bem como tudo se processa. 
Para colocar o RTC em funcionamento e retirar alguns valores, fiz o seguinte código que com os comentários penso que fica bem explicito o que se passa em cada etapa.
Neste caso, usei um PIC18F46k20 para testar o módulo, embora não seja este que irei usar no circuito final.

Alguns defines importantes para as funções de escrita e leitura:

Função de inicialização:

Função de leitura:

Função de escrita:

Bem... agora que finalmente chegou o RTC e já consegui comunicar com ele é altura de começar a montar tudo.
Não percam os próximos episódicos...

Olá.
Surgiu tempo para fazer mais uma "invenção"... um relógio com 2 ponteiros ligados a 2 servos.
Um dos ponteiros irá apontar as horas e o outro os minutos, como um relógio comum, mas em 2 mostradores diferentes.
Um semi-circulo das horas de 0h a 24h e outro semi-circulo em oposição com os minutos de 0min a 60min.
O tempo será lido, obviamente, a partir de um RTC (Real Time Clock). Consegui um módulo no ebay (ver AQUI) por cerca de 0.70€.
A ideia será usar um pequeno micro para comandar os servos de acordo com o que será lido do RTC. Como este já tem suporte para a pilha, será óptimo, pois mesmo que se desligue da alimentação, não é necessário acertá-lo novamente.
Para acertar as horas, quero fazer algo simples como uma comunicação série, levando a uma interrupção no programa do micro e reescrevendo data e horas no RTC, actualizando os valores.



Pequeno video do primeiro teste, com saltos de 50uS.
Agora é esperar que o módulo com o RTC chegue.

Este IC da Texas é um excelente exemplo de um controlador para montagem SEPIC.

Single-ended primary-inductor converter (SEPIC) é um tipo de conversor DC/DC, que permite ter uma tensão na saída maior, menor ou igual à tensão aplicada à entrada. No fundo é como ter um boost converter e um buck converter tudo na mesmo circuito.
A saída é controlada pelo duty cycle aplicado ao controlo do transístor.
Montagem SEPIC é útil em aplicações em que a tensão de uma bateria tanto pode estar acima como abaixo da tensão pretendida para a saída.
Por exemplo, uma bateria de iões de lítio, descarrega de 4,2V até 3V. Se a electrónica a usar utilizar 3.3V, então um SEPIC converter poderá ser a escolha certa.

Este é mais um robot com o qual termino o semestre (Sistemas Robotizados, UBI).
Infelizmente volta a ficar algo muito simples, devido à habitual falta de tempo e alguma dificuldade na construção de um chassis para o "prémio reciclagem"eheh...
Contribuíram para este trabalho dois grandes amigos, o Nuno Martins e o Pedro Torres.
Deixo também um pequeno relatório, onde é explicado como foi construído, que técnicas foram usadas, como se chegou a elas e porque se distingue este pequeno robot.
A lição é sempre, nem tudo o que parece ser fácil, o é! Existem sempre limitações, quer mecânicas, quer electrónicas, quer da mesma construção do algoritmo, que complicam sempre mais a tarefa...
Mas há sempre uma aprendizagem que vale a pena!


AQUI tinha falado desta campanha e do quão estranho me parecia, ser um projecto de uma magnitude tremenda e obviamente sem retorno prático (já não digo financeiro...).
Conseguiu com a campanha uma avultada quantia de 2 200 961 USD!!!
Quem pagou fez por desconhecimento ou pagou pela ideia... porque a aplicação prática disto é muito questionável.
Deixo aqui mais um brilhante video do grande Dave Jones, do qual não dá para discordar nem para ficar com qualquer dúvida.

Divirtam-se ;)

A Tesla Motors vai liberar sua tecnologia patenteada em veículos elétricos para qualquer pessoa, numa tentativa de estimular a inovação. A informação foi divulgada em um post no blog da companhia por Elon Musk, CEO da Tesla.
Segundo ele, a empresa se compromete a não entrar com processos por patentes contra quem utilizar sua tecnologia, desde que seja “de boa fé”. A iniciativa pode aquecer o mercado de carros elétricos, que hoje representam menos de um por cento das vendas das montadoras. Musk afirma também que o sistema atual de patentes muitas vezes sufoca a inovação em si e apoia grandes empresas, em vez de ajudar pequenos inventores.“A Tesla Motors foi criada para acelerar o advento do transporte sustentável", declara, “se nós abrimos o caminho para a criação de veículos elétricos, mas, em seguida, inibirmos outros, estamos agindo de maneira contrária a esse objetivo”.A decisão de abertura das patentes pode tornar o mercado mais competitivo e, com isso, acelerar o crescimento no número de compras.“Quando começamos, nos sentimos compelidos a criar patentes sem a preocupação de que grandes empresas de automóveis poderiam copiar nossa tecnologia e oprimir a Tesla. Não poderíamos estar mais errados”, afirma Elon Musk.O executivo cita ainda o movimento open source para justificar a nova postura da companhia. Grandes empresas, como Google e Twitter, já seguem por esse caminho, liberando pequenas patentes, até agora. No futuro, a medida pode significar maior apoio para pequenos inventores e desenvolvedores.


Fonte: http://olhardigital.uol.com.br/noticia/pelo-fim-da-gasolina-tesla-motors-abre-patente-de-carros-eletricos/42559

O que comecei a acompanhar por ser uma boa ideia, mas por ter uma aplicação real longe do que é sugerido no video, agora acompanho pelo valor imenso de dinheiro que já conseguiram angariar.
Com a tecnologia existente, aplicar isto na vida real deverá ser um projecto enorme, com muito dinheiro gasto e sem retorno! 
O rendimento dos painéis, o custo do vidro, etc... faria disparar o preço para valores brutais.
Mas como ideia e como principio para mais investigação nesta área é um projecto brilhante!
Deixo aqui o video "promocional" e em baixo o link para o indiegogo, onde este projecto já conseguiu acumular a incrível quantia de 1 630 561 USD, mas que sobe a cada minuto e o prazo foi prolongado para mais 22 dias de campanha!



Cortesia space.com

A equipa da expedição número 39 à ISS, regressou após 188 dias no espaço.
Completaram mais de 3 mil órbitas à Terra.
A aterragem foi concretizada ás 2:58 da manhã, hora de Portugal.


Ver noticia completa AQUI.

A NASA está disponibilizar na Internet imagens da Estação Espacial Internacional, com uma vista privilegiada para a Terra. Ao todo, são quatro câmaras instaladas na estação espacial para filmar o nosso planeta em alta definição e 24 horas por dia.
Esta iniciativa faz parte de um estudo que pretende analisar como a radiação solar afecta o funcionamento dos equipamentos no espaço.
O vídeo está disponível no site Ustream, e para assistir basta esperar que a ISS não esteja na parte "escura" da Terra. Quando isso ocorre a imagem fica preta. Caso esteja cinza, significa que a transmissão está mudando de câmara.
Em alguns momentos a imagem fica cinza também, mas porque há uma falha na recepção, em Terra, da transmissão da ISS (principalmente acontece ali junto de África). 
Para acompanharem as imagens em tempo "real" e a posição da própria ISS, podem aceder a ESTE SITE.

Deixo aqui um pequeno video do plano da NASA para salvar o nosso planeta de um meteoro em rota de colisão ou cuja aproximação se venha a tornar demasiado perigosa.
Comparando com o artigo anterior imagem os custos das missões...

"The Next Space Race" é uma viagem através do negócio em expansão da exploração espacial
A Estação Espacial Internacional é um laboratório perto de gravidade zero dedicada à pesquisa científica. O fim do programa de vaivéns espaciais da NASA deixou o mundo com apenas um caminho para chegar lá, comprar viagens aos russos. Agora a NASA está assegurando uma competição de biliões de dólares desafiando os privados para construir próxima nave espacial da América. 
A Boeing, SpaceX e Sierra Nevada são todas as empresas aeroespaciais multi milionárias e estão determinadas a ganhar o contrato da NASA, a fim de se tornar o líder na indústria espacial emergente. Bloomberg tem acesso raro para esses pioneiros espaciais, incluindo um tour SpaceX com CEO Elon Musk
(Fonte: Bloomberg)

0.33 mins: The cost of space travel has clipped our wings.
5:18 mins: How many people knew Google before they started?
7:40 mins: SpaceX costs, full compliment, 4x per year at $20 million per astronaut.
11:59 mins: Noisy rocket launch, notice also the length of the hot exhaust is several times the length of the rocket.
12:31 mins: One small step for man, one giant leap for mankind.
12:37 mins: Noisy shuttle launch, notice also the length of the hot exhaust is several times the length of the rocket.
13:47 mins: OPF-3, at one time the largest building in the world at 129 million cubic feet.
16:04 mins: States are luring private companies to start up in their states.
16:32 mins: NASA should be spending its money on exploration and missions and not maintenance and operations.
17:12 mins: The fair market value of OPF-3 is about $13.5 million.
17:19 mins: Maintenance cost is $100,000 per month
17:47 mins: Why Florida?
18:55 mins: International Space Station (ISS) cost $60B and if including the Shuttle program, it cost $150B.
19:17 mins: The size of the commercial space launch business.
21:04 mins: Elon Musk has put $100 million of his own money into SpaceX.
21:23 mins: The goals of NASA and private space do not conflict.

Summary:
1. Cost of ISS is $60B, total cost including the Shuttle program is $150B.
2. SpaceX cost is $20M per astronaut (for 7 astronauts) or a launch cost of $140 million per launch at $560 million per year for 4 launches per year.
3. The next space race is about money.
4. NASA will give a multi billion dollar contract to private space companies to ferry humans & cargo into space and back.
5. Orbiter Processing Facility 3 (OPF-3) valued at $13.5million, and an estimated area of 207,000 sq ft gives a value of $65.22/sq ft.
6. With a maintenance costs of $100,000 gives a per sq ft maintenance costs of $0.48/sq ft/month or $5.80/sq ft/year.
7. Another reason for the Cape Canaveral NASA launch site is the mandatory no/low population down range for rocket launches. At Cape Canaveral this down range is the Atlantic Ocean.

Fonte: http://lifeboat.com/blog/2014/05/the-next-space-race

Como já devem ter constado, este blog anda um pouco parado... longe vão os tempos em que havia um novo post quase todos os dias :(.
O final do semestre, o trabalho, algum descanso merecido resulta numa ausência de tempo livre...
Com enorme tristeza que venho aqui anunciar que ainda não está visível uma luz no fundo do túnel para que esta "calmia" termine.
Assim, gostaria de lançar o desafio a quem tenha alguma ideia, alguma vontade em ver as suas "engenhocas" divulgadas, se possa sentir livre de enviar por e-mail ou de forma mais simples iniciar discussão nos comentários.

Fico a aguardar contactos :).

Para aproveitar alguns componentes que já à algum tempo estavam aqui a pedir uso, principalmente um pequeno módulo rádio nos 433MHz, que comprei por 2 ou 3 euros no ebay, decidi fazer uma pequena rádio baliza. Embora apenas com 25mW, valia a pena fazer um teste de distância.
Usei um pequeno MCU, PIC12F510, para modular uma mensagem em morse, com uma frequência de 1KHz, à velocidade de 20WPM (words per minute).
A alimentação partiu de uma pilha de 9V, que alimentava directamente o módulo rádio e a regulação para os 5V de alimentação do micro, foi feita com um MIC5205 (um regulador de tensão de baixo consumo).
Foi tudo colocado dentro de um pequeno tupperware a 1250m de altitude, na Serra da Estrela.
Por lá ficou a transmitir apenas 1 noite e 1 dia e foi quanto bastou para retirar algumas conclusões deste teste.
O circuito faz uma transmissão a cada 2min 30seg, da mensagem "CQ COVILHA TEST MORSE BEACON - CR7AEK", que à velocidade de 20WPM resulta em cerca de 20seg de transmissão.
Esta mensagem foi escutada a 6Km de distância e o link em baixo é uma gravação da mensagem a essa mesma distância. Com apenas 25mW, consegui escutar a essa distância, na frequência de 433.986MHz em AM.. 


O print screen em baixo mostra o SDRsharp onde estava a fazer a recepção, e mostra também o MULTIPSK onde estava a fazer a descodificação da mensagem em Morse.
Bem visível na parte direita da imagem, a frequência de 1KHz à qual estava a ser modulada o morse.